sexta-feira, 28 de junho de 2013

Ensine seu filho a usar as redes sociais de forma segura




Ensine seu filho a usar as redes sociais de forma segura

 


"Experiências são essenciais para o crescimento saudável do seu filho e a maioria delas está relacionada a repetir atividades comuns na rotina da turma. A vontade de participar das redes sociais como Facebook, Twitter ou Orkut costuma estar entre as maiores preocupações dos pais, recentemente. "Mas não basta exercer o controle, a relação entre pai e filho precisa ser divertida, e não só marcada pela supervisão e obediência a regras", afirma a psicóloga clínica Ana Cássia Maturano, especializada pela Universidade de São Paulo. As sete dicas a seguir vão ajudar você a segurar a mão do seu filho e orientá-lo sobre como usar a internet com segurança e aproveitando as divertidas possibilidades que ela oferece."

Esteja ao lado dele no começo

 

Qual a melhor foto para mostrar para todos os amiguinhos? Que informações vale revelar em uma rede social? Essas perguntas simples são feitas habitualmente em qualquer cadastro de site e é importante ter respostas precisas para cada uma delas. "Os pais precisam acompanhar e, de certa forma, orientar o filho em aspectos que dizem respeito à construção da identidade", afirma a pedagoga Júlia Milani, da entidade Terceiro Passo. Dizer a idade, as atividades favoritas e a profissão desejada para o futuro é uma forma de expor para o mundo, a criança precisa entender isso com exemplos simples. "No início, o ideal é estar ao lado dos eu filho sempre que ele entrar nesses sites e sempre como um parceiro, explicando as possibilidades e os riscos que existem ali", afirma a psicóloga Ana Cássia Maturano.  


A segurança é prioridade

 

É importante que o pai deixe claro o quanto a supervisão é importante para garantir a segurança do filho na internet. "A relação precisa ser divertida, feita como uma coisa gostosa, não apenas um controle chato, mostre opções interessantes e reforce a responsabilidade ligada ao uso das redes sociais", afirma a especialista Ana Cássia Maturano. Se a obrigação do pai e da mãe é saber por onde o filho anda no mundo real, também é no virtual. Converse com ele e explique que, acima de um controle, essa postura traz a proteção necessária para que o uso dos sites seja o mais seguro possível. "Proteger é diferente de controlar, dê exemplos de situações em que a sua opinião foi valiosa para evitar incidentes", afirma a pedagoga Júlia Milani.



Limites são importantes

 

Especialistas são unânimes quando o assunto é impor limites às crianças: eles são essenciais, e isso também ocorre nas redes sociais. Não apenas os pequenos, mas também os jovens e até mesmo os adultos precisam saber dosar a quantidade de horas que ficam conectados. "Com o exagero, a criança pode até se esquecer de fazer atividades importantes, como brincar com outras, praticar atividades físicas e desenvolver relações com o ambiente em que está inserida", afirma a pedagoga Júlia Milani, da entidade Terceiro Passo.

Monitorar as atividades é essencial

 

Ajudar na criação do perfil é apenas o primeiro passo dos pais quando os filhos se interessam em usar as redes sociais. Mas o trabalho vai além, já que precisa ser uma observação contínua e da navegação no Facebook, por exemplo. "Olhar as mensagens ou conferir a lista de amigos pode ser um hábito que previne o contato de pessoas mal intencionadas", afirma a psicóloga Ana Cássia. Além de olhar, é também importante ser sincero com o seu filho. Nunca seja sorrateiro em uma dessas "investigações", deixe bem claro que você vai entrar e ficar de olho em o que ele está fazendo. "Se você vasculhar escondido, corre o risco de que seu filho perca a confiança em você."

Bons hábitos dentro e fora das redes

 

Se pessoas desconhecidas devem ser evitadas pelas crianças no dia a dia, a mesma recomendação vale para a internet. "O pai deve mostrar que a presença numa rede social online é uma responsabilidade, e justamente por isso não pode revelar informações pessoais como telefone e endereço", afirma a psicopedagoga Ana Cássia Maturano. Às vezes a inocência da criança pode ser o gatilho que pessoas com más intenções usam para conseguir os dados que querem. Por isso, não se preocupe com meias palavras: deixe bem claro para o seu filho que é essencial ser criterioso com o que é dito no Facebook, por exemplo. "Explique que ficar atento e ser cuidadoso são condições para fazer parte dessas redes e, se ele tiver alguma dúvida, pode se sentir a vontade para perguntar para os pais", afirma a especialista Júlia Milani.

Apontando a existência de más intenções

 

Um dos maiores perigos para as crianças nas redes sociais está relacionado com o próprio cotidiano nas escolas: o bullying que antes existia entre as paredes da sala de aula ganhou proporções gigantescas na internet. Em casos em que a criança sofre esse tipo de perseguição online, as especialistas são unânimes: é importante buscar uma solução junto à escola."É importante deixar claro que, por mais que seja uma ferramenta muito legal, ela também pode ser usada por pessoas capazes de prejudicar e com um alcance muito superior ao que acontece no mundo fora das redes", afirma a psicóloga Ana Cássia.


Usando a internet para o bem

 

Mas não é só de maus exemplos que a internet é feita. O caso de Isadora Faber, a estudante de 13 anos que usou uma página no Facebook para denunciar os problemas de sua escola, mostra como as redes sociais também podem ser usadas para o bem. "A criança pode ter ideias de como usar as redes para transformar o que incomoda e fazer denúncias em nome do bem coletivo", afirma a psicóloga Ana Cássia Maturano. A especialista só recomenda evitar o discurso chato em torno de uma experiência que pode ser positiva, deixe a criança livre para pensar em novos usos da rede e discutir as possibilidades com vocês antes de colocar em prática. "Enquanto isso, valorize ferramentas como a agenda de aniversários, ver mais detalhes do passeio da escola ou conversar com a tia que mora longe sem gastar telefone", afirma a profissional.
 


Alunos Monitores que fizeram o topico: Gustavo H, Katia Cristina, Pamela Rezendes e Larissa Laysla.

 


Fontes: Youtube, Google

 

 


segunda-feira, 24 de junho de 2013

História dos Números

Responda as questões a seguir no BrWriter:

a) Quais as primeiras formas de escrita?
b) De que maneira os povos antigos representavam os números?
c) Como os povos egípcios escreviam os números sem utilizar os hieróglifos?
d) Como era o sistema numérico dos chineses? E dos babilônicos?  E dos Maias?
e) E o nosso sistema de numeração, onde ele surgiu? Qual foi o primeiro número inventado? Conte como os hindus inventaram o zero e por quê?
 
f) Pesquise sobre o sistema de numeração romano. Que símbolos foram escolhidos para representar os números? Onde esses números ainda são utilizados?
 
Sugestões de sites para pesquisa: 
 
 
História dos números:  http://www.somatematica.com.br/numeros.php

quinta-feira, 6 de junho de 2013

terça-feira, 4 de junho de 2013

5 DE JUNHO - DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

        No dia 05 de junho comemora-se o dia do meio ambiente. A criação da data foi em 1972, em virtude de um encontro promovido pela ONU (Organização das Nações Unidas), a fim de tratar de assuntos ambientais, que englobam o planeta, mais conhecido como conferência das Nações Unidas.
      A conferência reuniu 113 países, além de 250 organizações não governamentais, em que a pauta principal abordava a degradação que o homem tem causado ao meio ambiente e os riscos para sua sobrevivência, de tal modo que a diversidade biológica deveria ser preservada acima de qualquer possibilidade. Nessa reunião, criaram-se vários documentos relacionados às questões ambientais, bem como um plano para traçar as ações da humanidade e dos governantes diante do problema. A importância da data está relacionada às discussões que se abrem sobre a poluição do ar, do solo e da água; desmatamento; diminuição da biodiversidade e da água potável ao consumo humano, destruição da camada de ozônio, destruição das espécies vegetais e das florestas, extinção de animais, dentre outros.
       A partir de 1974, o Brasil iniciou um trabalho de preservação ambiental, através da Secretaria Especial do Meio Ambiente, para levar à população informações acerca das responsabilidades de cada um diante da natureza.
Mas em face da vida moderna, os prejuízos ainda estão maiores. Uma enorme quantidade de lixos é descartada todos os dias, como sacos, copos e garrafas de plástico, latas de alumínio, vidros em geral, papéis e papelões, causando a destruição da natureza e a morte de várias espécies de animais.
      A política de reaproveitamento do lixo ainda é muito fraca, em várias localidades ainda não há coleta seletiva; o que aumenta a poluição, pois vários tipos de lixos tóxicos, como pilhas e baterias são descartados de qualquer forma, levando a absorção dos mesmos pelo solo e a contaminação dos lençóis subterrâneos de água. É importante que a população seja conscientizada dos males causados pela poluição do meio ambiente, assim como de políticas que revertam tal situação.
     E cada um pode cumprir com o seu papel de cidadão, não jogando lixo nas ruas, usando menos produtos descartáveis e evitando sair de carro todos os dias. Se cada um fizer a sua parte, o mundo será transformado e as gerações futuras viverão sem riscos.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Fonte:http://www.brasilescola.com/datas-comemorativas/dia-mundial-do-meio-ambiente-ecologia.htm

Projeto Meio Ambiente - Sustentabilidade

      A Professora Vanessa Viviane de Lemos, juntamente com seus alunos do 1º ano V, realizaram atividades tanto orais como gráficas a respeito do tema em destaque, propondo, então, mudanças de consciência e de valores que promovam as novas atitudes necessárias em relação à preservação e conservação do meio ambiente.
     Este tema justifica-se pelo fato de, neste momento da trajetória escolar, os alunos depararam-se com a possibilidade de terem a primeira aproximação da noção do ambiente como resultado das interações entre seus componentes.
     Sua relevância volta-se ao estimular o desenvolvimento de valores e atitudes, além de empregar situações didáticas. Contemplados nos Parâmetros Curriculares Nacionais, os valores e as atitudes são vistos como possuidores de uma dimensão social e pessoal, além de princípios. Os valores voltam-se à cognição, que contempla conhecimentos e crenças, e aos afetos, que englobam sentimento e preferência, gerando condutas, que voltam-se às ações. As situações didáticas, por sua vez, de acordo com as teorias vigentes, englobam valores e concepções; análise crítica; desenvolvimento de valores e atitudes e escolhas pessoais e conscientes, em um contexto histórico , cultural e social.
     O desenvolvimento sustentável trata de uma forma de crescimento sem agressão ao meio ambiente. Para que este seja alcançado, faz-se preciso ter-se planejamento, além de reconhecimento de que os recursos naturais não são infinitos. Então, busca-se ter-se uma diminuição de matérias-primas, aumento considerável da reciclagem, além de outros itens. Trata-se de agir com cuidado, dando possibilidade de ter-se um enfoque ampliado em relação ao futuro, tentando retirar do ambiente aquilo que ele pode repor, sem agredi-lo, consequentemente.
     “Diante de um cenário alarmante como o nosso, com o crescente número de desastres ecológicos e com a revolução da natureza em busca de seu equilíbrio, a preocupação com o meio ambiente é algo que deve ser priorizado na vida de toda a população mundial.” 

(BONETO, Cristiane; SANTANA, Renata; COTRIM, Tatiane. Projetos Escolares Ensino Fundamental Atitudes Sustentáveis. Ano 7, nº 57, p. 5)

Objetivo Geral:

Adotar posturas no contexto cotidiano, que gerem interações construtivas, além de sustentáveis.

     Objetivos Específicos:
·         Refletir sobre a educação ambiental.
·         Participar como cidadão ativo da comunidade.
·         Identificar agentes poluidores.
·         Fazer com que o aluno perceba a necessidade do ar puro para a nossa sobrevivência.
·         Formar atitudes de preservação do meio ambiente.
·         Estimular a curiosidade dos alunos.
·         Fomentar uma busca autônoma da informação.
·         Fortalecer e ampliar o horizonte cultural dos alunos.
·         Fornecer aos alunos as chaves para a interpretação do patrimônio.
·         Incentivar o respeito e o cuidado para com os seres vivos.

     Quatro poemas (Amigos do Planeta Terra- Djenane Alves: Cuidando da Natureza- Leila Maria Grillo; Natureza- Berenice Gehlen Adams; Separe o lixo- Berenice Gehlen Adams) foram apresentados aos alunos, que, por sua vez, divididos em quatro grupos, realizaram desenhos para representar os mesmos, gerando como culminância, a confecção de mural.